PROGRAMA ACOLHE É VENCEDOR DO PRÊMIO ECO E DESTAQUE NA MÍDIA

Presente em 22 estados e com quase 600 atendimentos realizados em dois anos, o programa vem ganhando reconhecimento público com premiação e citações nos principais veículos de imprensa do país.

Criado na pandemia em resposta à escalada da violência contra mulheres no período de isolamento social, o Programa Acolhe - iniciativa do Fundo de Investimento Social Privado pelo Fim das Violências Contra as Mulheres e Meninas, fruto de uma parceria entre o Instituto Avon e o Grupo Accor – tem se destacado como uma importante ferramenta colaborativa entre iniciativa privada e governos para oferecer abrigamento e capacitação a mulheres em situação de violência.

 

Os resultados desse projeto têm recebido reconhecimento público, como a conquista do Prêmio Eco 2022, maior ferramenta de reconhecimento de empresas que adotam práticas ESG (Meio ambiente, Social e Governança) no Brasil, realizado há 39 anos pela Amcham - Câmara de Comércio Americana. O programa foi escolhido entre 108 projetos inscritos, nas categorias Sustentabilidade em Processos e Sustentabilidade em Produtos e Serviços.

 

"O Programa Acolhe é um daqueles projetos divisores de água na carreira, pela sua complexidade e propósito. Implementar um programa com abrangência nacional, com incidência em política pública e com múltiplos stakeholders, foi um processo de grande amadurecimento profissional e inaugurou uma nova fase da atuação do Instituto Avon na causa do Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres", afirmou Renata Rodovalho, gerente de Parcerias Estratégicas do Instituto Avon.

 

Destaque na mídia 

Em matéria especial sobre as eleições estaduais, o jornal SPTV, da TV Globo, sinalizou que a violência contra as mulheres - responsável por mais de 50 mil boletins de ocorrência em SP só em 2021 - será um dos maiores desafios do futuro governante do estado.

 

Daniela Grelin, diretora executiva do Instituto Avon, falou à reportagem sobre a importância das redes de apoio, como a proporcionada pelo Acolhe.  "Navegar essa mulher nos serviços públicos para que ela não se perca em lacunas entre as instituições da rede de acolhimento- como, por exemplo, o serviço de saúde, o socioassistencial e o sistema de justiça - é uma das necessidades. A jornada de denúncia não é nada simples, não é nada leve. Ela é dura e dolorosa para a mulher. Por isso, ela precisa desse fortalecimento para acessar seus direitos", afirmou.

 

Números e abrangência

Os acordos de cooperação para implantação do programa já foram assinados com os estados da Bahia, Alagoas, Amazonas, Rio Grande do Sul, Goiás, Mato Grosso do Sul e Pernambuco, além dos consórcios municipais do ABC e Alto Tietê, em São Paulo.

 

Alguns resultados

2145 diárias de hotéis ofertadas

157 mulheres hospedadas

198 acompanhantes (filhos e filhas)

202 outros tipos de atendimentos

577 é o número total de atendimentos até o momento

 

Sobre os resultados para os municípios

1463 gestores e técnicos das redes de enfrentamento à violência impactados pelo programa

232 municípios habilitados a pedirem hospedagem (107 ativos)

22 estados alcançados

436 pessoas participaram de webinários temáticos